sexta-feira, 29 de junho de 2012

Teste de glicemia em sala de aula

Na semana passada, na escola em que meu filho estuda a professora de Ciências aproveitando o tema de uma aula de Alimentação no 8º ano do Ensino do Fundamental, inseriu de uma forma leve o assunto diabetes, mais especificamente o índice glicêmico.

Alguns alunos com a autorização dos pais por escrito realizaram um teste rápido de glicemia.

Para isso alguns fizeram jejum de oito horas e outros se alimentaram normalmente. Assim os alunos puderam comparar os índices glicêmicos em jejum e pós prandial.

O procedimento foi realizado com as devidas medidas de segurança. Isso facilitou o entendimento sobre as consequências da alimentação no organismo, motivando-os com relação ao monitoramento de sua saúde e onde puderam entender a relação direta dos alimentos com os valores de glicemia.

A diabetes sendo divulgada dentro da sala de aula... conscientização é tudo!
Parabéns professora Renata pela excelente ideia!!

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Estimule a autoestima de seu filho

Vi no blog da Daniela Torres e gostei.. tem tudo haver com nossas crianças..

Estimule a autoestima do seu filho

Uma criança que cresce sob constante desaprovação, por mais sutil que ela seja, tende a acreditar na crítica e a assumi-la como parte de sua identidade e de seu modo de agir. Isso ocorre porque, para formar sua autoimagem, o ser humano é extremamente dependente da reação das pessoas que o cercam. É como se o outro fosse um espelho.

O processo de construção da autoestima começa muito cedo, antes mesmo do nascimento, segundo alguns especialistas no assunto. “Vários estudos já demonstraram que o feto tem percepções intrauterinas”, afirma a psicanalista Ana Celi Huguet, do Rio de Janeiro. “Quanto mais desejado é o bebê, mais aceito ele se sentirá quando crescer.”

A maneira como os pais o tocam, o olham e a prontidão com que atendem a suas necessidades contribuem para que ele se sinta seguro e aprenda a confiar. E é confiando nos outros que obtém autoconfiança.

Além disto, quem tem uma boa autoestima se recupera mais rápido de um eventual fracasso. Aceita desafios. Persiste mais. Não tem medo de errar. Ninguém consegue transmitir melhor essas pequenas lições de amor próprio do que os pais. “Eles são os heróis, figuras de enorme importância para os filhos”, diz a psicóloga Eneida Souza Cintra, de São Paulo. “São suas opiniões e modo de agir que determinam em grande parte se a criança vai ter uma imagem mais positiva ou negativa de si mesma.” Essas mensagens, no entanto, não se transmitem de uma hora para outra nem de forma aberta. “São recados subliminares, inconscientes, que estão nos pequenos atos do dia-a-dia e que são captados com muita facilidade pelas crianças”, explica Eneida.

Dicas para ajudar seu filho

“O que há de errado com você?”
Aceitar que as pessoas são diferentes é o primeiro passo para desenvolver a autoestima de uma criança.

“Se você não obedecer, não vou mais gostar de você”
Poucas ameaças são tão assustadoras para uma criança quanto a possibilidade de perder o amor dos pais. Ela precisa saber que é amada mesmo quando seu comportamento é criticado.

“Você é um bagunceiro”
Cuidado com os rótulos e com as críticas genéricas. É importante que elas sejam dirigidas ao ato impróprio e não à criança. “Arrume seu quarto, ele está uma bagunça” é mais eficiente e menos agressivo.

“Não adianta, ele não aceita ordens”
Pode não ser fácil, mas estabelecer limites é uma condição essencial para desenvolver a autoestima.

Publicado em 21/06/2012
Reportagem: Aline Angeli - Edição: MdeMulher
Fonte:http://mdemulher.abril.com.br/familia/reportagem/filhos/como-estimular-autoestima-crianca-689626.shtml

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Coisas de mãe..

Eu fiz uma postagem esses dias em alguns grupos do facebook, sobre um instante de fragilidade minha, mas renderam alguns comentários que podem auxiliar outras mamães pâncreas como eu.. então estou postando aqui tb..


Ontem a noite (14/06) assisti um filme chamado Elsa & Fred.. chorei tanto neste filme, no começo ele é meio parado, mas depois acabei me envolvendo com a história a Elsa é uma senhora que tinha o sonho de ir pra Roma, fazia hemodiálise e tinha uma vitalidade indescritível, o Fred já era hipocondríaco não tinha doença nenhuma, mas era infeliz.. os dois se encontram e vivem uma história de paixão linda, se descobrem juntos e vivem a vida como tem que ser vivida e mostra que nunca devemos desistir de nossos objetivos, ela conseguiu ir pra Roma! Ficção sim mas passa um ensinamento de vida maravilhoso, deu uma sacudida...

Desde que o João se tornou DM eu não me permiti lamentar em nenhum instante essa condição, pelo contrário depois do susto levantei a cabeça e fui em frente.. Mas essa semana o depoimento da Yara Resende Rocha no blog da Sarah Rubia Baptista mexeu muito comigo, principalmente a parte em que ela fala "que preferia estar vivendo em seu mundo colorido..." e ontem assistindo esse filme.. parece que tudo se misturou.. pela primeira vez me permiti sentir toda a força que essa deficiência trouxe pra nossa família, principalmente o João... a nossa vida nunca mais será a mesma, se antes ele pegava um biscoito e comia sem preocupações, hj ele olha e me fala "mamãe posso comer?", está simples frase implica tanta coisa, tantos cuidados, tantos sentimentos, sim ontem eu fui a mãe que lamentou a entrada da diabetes na vida de seu filho..

Não fiquei orgulhosa de mim, mas acredito que precisava deixar extravasar, eu tb tenho o direito de me sentir pequena, uma minhoquinha que só quer proteger sua cria.. mas tb sei que optei pelo caminho certo, aceitar e fazer com que tudo seja mais leve, acredito que estamos conseguindo.. #prontofalei# como diz minha amiga.




domingo, 17 de junho de 2012

Hipo de 33 mg/dl sem sintomas

Ontem fomos numa festa junina e como sempre eles brincaram se divertiram e comeram..
O João antes de vir embora ainda comeu um pastel e mais um crepe.

Chegamos em casa por volta de 19h30min eu sabia que a glicemia estava alta por que não tinha corrigido na festa, ele mediu estava em 366 mg/dl, apliquei 3 ui da ultrarrápida pra corrigir contando o pastel e o crepe que ele ingeriu por último.

Bom perto das 22h medimos pra dormir, assustei com o número hipo de 33 mg/dl e sem sintomas. Ele não estava sentindo nada, geralmente eu percebo uma hipo pela palidez, ontem nem isso..

Deu um leite com achocolatado e mais um pão com manteiga, porque ele estava com fome, medi depois de 20 min e estava em 81 mg/dl, baixo ainda pra dormir, fui dar um sachê de glicose mas ele não quis, mel  também não. Então fiz outro leite com achocolatado bem forte, ele tomou tudo, deitei  com ele e esperei pra medir dali uma hora..

Acabei cochilando acordei a 24h45min, dei um pulo da cama, medi novamente e estava em 255 mg/dl, achei melhor não corrigir e dormimos, acordou hoje com 111 mg/dl.

O que me assustou nem foi tanto o valor da glicemia, mas sim ele não ter apresentado nenhum sintoma, se eu já ficava atenta agora mais ainda.

Espero que nenhuma mamãe leve esse susto..

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Já mediu??

Quantas vezes você ouve essa pergunta por dia??

Em casa o meu filho escuta uma porção de vezes..
Assim que acorda, antes do café da manhã, pós café, antes do almoço, pós almoço, no lanche, antes do jantar, pós jantar, antes de dormir, quando necessário de madrugada e em outras ocasiões.

Ele reclama, a resposta é não, nem liga, é normal como, dormir, escovar os dentes, brincar...
O irmão as vezes pega o kit do João e fala "Já mediu Tato", uma criança de 2 anos falando assim, só mostra o quão natural é isso em nossa família.

Quem não conhece a rotina de um diabético, acha muito estranho quando eu falo que para ele medir glicemia e injetar insulina se tornou uma coisa corriqueira, na terça-feira estava conversando sobre isso com uma pessoa, que não sabia nada de diabetes e estava curiosa pra saber um pouco mais.

Ela ficou de boca aberta e eu percebi que a gente não está preparado pra entender realmente uma situação enquanto não vivenciar... Se um dia alguém chegasse pra mim e me dissesse que tudo isso que vivemos é normal eu diria "meu você ficou louco né"... e olha só, isso hoje é o meu mundo..

E você já mediu hoje???

terça-feira, 12 de junho de 2012

Solidariedade

Solidariedade quando pensamos nessa palavra, vem o significado, ser solidário, ajudar, pois é...

É bem isso que a Sarah Rubia vem fazendo em seu blog, ela teve uma ideia que achei genial, está reunindo depoimentos de várias pessoas que vivem o mesmo mundo que eu e você junto com o diabetes.

Lá você vai encontrar, companheirismo, amizade, pode até rir ou chorar, mas vai perceber que não está sozinha que existem muitas pessoas que estão vivenciando o mesmo momento que você.

Assim como a Sarah existem muitas outras pessoas dispostas a ajudar e compartilhar suas experiências, não dá pra citar todos aqui ,os blogs, os grupos no facebook... se você realmente quer e precisa de ajuda e orientação está no caminho certo e se você quer ajudar alguém também está no caminho... é só seguir.. eu mesma adoro participar destes grupos!

Perceber que os outros estão ali e que é só estender a mão e seremos compreendidos, isto não tem preço, isto se chama amizade!

Mas chega de falar apresento pra vocês o Depoimentos sobre Diabetes, boa vivência!!

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Pessoas DM1 vamos participar!! [Convocação] Pesquisa Genética sobre DM1 no HC/SP

Se você é portador de diabetes tipo1, seu filho, irmão, pai, marido, vizinho então venha participar!!!

Fiz uma colinha do blog da Nicole, para participar leia o texto abaixo, se mesmo assim tiver alguma dúvida deixe anotado aqui que respondemos, se não é só enviar um e-mail com seu nome e telefone para a caixa postal que está em vermelho.

Oi gente, através da ADJ  tive contato com a Dra Karla – que se apresenta no texto abaixo – e ela, junto com uma equipe, estão recrutando pessoas pra fazer parte de uma pesquisa genética sobre o Diabetes tipo 1. APENAS TIPO 1.
Para a pesquisa, basta UMA coleta de sangue, a ser feita no HOSPITAL DAS CLÍNICAS, pelo ambulatório, num dia marcado pela equipe, que entrará em contato com vocês pelo telefone.
Podem participar da pesquisa:
-Portador de DM1 (independente do tempo de diagnóstico) + pais + irmãos
-Apenas o portador de DM1
-Pessoas SEM NENHUMA LIGAÇÃO COM DIABETES TIPO 1 OU 2 , ou seja, pessoas que não tem nenhum caso de diabetes na família toda, nem bisavós, nem avós, nada nada de diabetes, nem 1, nem 2, nem gestacional, nem neonatal, nem MODY, nem LADA

APENAS DIABETES TIPO 1 !!

Para participar, mande um email para nicolelagonegro@gmail.com com seu nome e telefone pra que alguém da equipe entre em contato com vocês.
Olá, sou Karla Fabiana, médica pesquisadora do Grupo de Diabetes Mellitus do Hospital das Clinicas – FMUSP, e participo de um projeto intitulado Influência da ancestralidade na susceptibilidade ao diabetes mellitus tipo 1 em uma população brasileira.
Hoje já se tem como saber a respeito do risco do diabetes Tipo 1 em fases precoces da vida através da dosagem de auto-anticorpos que a gente realiza lá e desta forma atuar de forma precoce no controle da doença. A ideia é que as pesquisas no campo da genética sejam cada vez mais expandidas e que possamos não só controlar como também quem sabe, um dia evitar o aparecimento desta ou até mesmo curá-la.
Para realização deste trabalho, estamos recrutando pacientes com Diabetes Tipo 1 de qualquer idade e seus familiares (pai, mãe e irmãos) com diabetes ou não, a contribuírem com esta pesquisa, além de pessoas que não tenham diabetes (alem de não terem história familiar de diabetes).
Para participar é só entrar em contato conosco, deixar seu nome e telefone, pois posteriormente será agendado um dia para que você possa ir ao Hospital das Clinicas, em jejum e fazer uma única coleta sanguínea (análise de glicose, anticorpos contra o pâncreas ou insulina, colesterol, hormônio da tireóide e outras analises do seu metabolismo, além do DNA (para checar a descendência e o possível risco de desenvolver a doença).
Os resultados dos exames serão analisados e orientados caso a caso.
Agradeço antecipadamente a sua cooperação e me ponho a disposição para duvidas.
Atenciosamente,
Karla

terça-feira, 5 de junho de 2012

E se você esquecer de aplicar insulina?

Ontem as glicemias do João estavam bonitinhas: 86 / 76 / 74 / 102 / 107 e na hora de dormir 250?? Ai comecei a pensar, não fez nada e nem comeu nada de diferente.. a não ser por um detalhe esqueci de aplicar a rápida depois do jantar e por incrível que pareça não fiquei preocupada, acabamos na risada!

Foi a primeira vez que aconteceu, mas certeza terá outras, corrigi com a rápida e fomos dormir tranquilos. Pesquisei agora na net e achei algumas dicas no site da One Touch estou postando aqui, lembrando que na dúvida procure um médico!

Você pode provar as seguintes sugestões, se você foi diagnosticado com diabetes há um tempo atrás e se está confiante sobre a forma como trabalha a insulina que você injeta. Se você se sentir um pouco inseguro, deve contatar o hospital ou clínica de diabetes.

Esqueceu da injeção antes das refeições (tratamento com injeções múltiples)

Tome a mesma dose de insulina ou diminuí-lo por uma unidade ou duas, se você se lembrar imediatamente depois de ter comido. Se 1 ou 2 horas se passaram, você pode tentar, tomar metade da dose. Se um longo tempo passou, aumente algumas unidades para a sua próxima injeção de antes da refeição, mas não antes de medir o nível de glicose.

Esqueceu tomar a injeção antes de deitar (Tratamento de injeções múltiples)

Se você acordar antes de 2AM, pode ainda tomar insulina, mas você deve diminuir a dose de 25-30%, ou 1-2 unidades por cada hora que se passaram desde o tempo normal de injeção. Se há menos de 5 horas antes do horário habitual, medir a glicose e tomar uma injeção de insulina de ação curta, se tiver. Você pode experimentar uma dose com um terço ou um quarto do número de unidades da injeção de insulina de ação intermédia para antes de dormir. No entanto, nunca injetar mais de 0,1 U / kg (0,5 U/10 lb) de peso corporal de uma vez.

Se você esqueceu tomar a dose da tarde e a de antes de dormir, você pode tomar-lo quando lembrar, só se apenas passaram algumas horas. Você pode necessitar de uma pequena dose de insulina de ação rápida si a sua glicose já subiu. Se você se lembrar de manhã, tente tomar aproximadamente metade da dose que você deveria ter tomado à noite. Se você acordar com alto nível de açúcar no sangue, náuseas e níveis elevados de cetonas no sangue ou na urina, você tem sintomas de deficiência de insulina. Tome 0,1 U / kg (0,5 U/10 lb) de peso corporal de insulina e medir a glicose novamente após 1-2 horas. Se a sua glicose não diminuir após 2 horas, tomar outra dose de 0,1 U / kg (0,5 U/10 lb) de peso corporal.
Se você ainda estiver sentindo doente ou se você vomitar, você deverá contatar o seu médico imediatamente.

Esqueceu tomar a injeção durante o tratamento de duas vezes por dia

Por exemplo, se você esquecer a dose pela manhã, tomar a mesma dose ou diminuir a ação curta (ou ação rápida) por 1 ou 2 unidades se você se lembrar imediatamente depois de ter comido. Se você se lembrar de uma ou duas horas depois, você pode tentar diminuir a parte da ação rápida ou curta pela metade e da parte de ação intermédia por cerca de 25%. Se você se lembrar de sua injeção mais tarde, medir a glicose antes da próxima refeição e tome apenas insulina de ação rápida ou curta nessa refeição. Se você estiver usando insulina pré-misturada, não será possível para diminuir apenas um dos componentes. Tome uma dose menor desta insulina quando você se lembrar, ou utilize apenas insulina de ação rápida ou de ação curta até que seja de tarde para a próxima injeção. Se você esquecer sua injeção de tarde e lembrar durante a noite, você deve tomar uma dose menor de insulina de ação intermédia antes de dormir. Um pouco mais da metade deve ser suficiente, mas você deve testar isto com o controle de glicose. Você provavelmente necessitará também de uma injeção de insulina de ação rápida ou curta na hora do lanche a noite. Tente a mesma dose (ou algumas unidades inferior a) em vez da ação rápida ou curta na hora da sua injeção de noite. Você deve verificar sua glicose a noite para evitar a hipoglicemia.

Fonte: http://www.onetouchla.com/pt-br/parents-kids/tudo-sobre-insulina/e-se-voce-esquecer-de-tomar-insulina

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Aniversário de Diabetes - 1 ano

Pois é, já se passou um ano... na verdade dia 30/05, foi o começo pesquisei os sintomas que nosso filho vinha apresentando na internet e me deparei com o quadro de diabetes, li, li um monte de coisas, comentei com minha amiga de trabalho que desconfiava que o João estava com diabetes e ela me disse que não, pra eu tirar isso da cabeça, mas aquilo ficou martelando...

No dia seguinte, foi dia de pediatra levei o João e ele pediu o exame de glicemia e no dia 1 de junho de 2011, confirmamos o diagnóstico... olhando para trás passou um filme em minha mente... e parece que foi a mais tempo...

Um ano de residência e uma hóspede que veio pra ficar, inoportuna as vezes com seus ataques de hipo e hiper, mudança, muita coisa mudou desde sua chegada...

Aprendemos a nos valorizar mais como pessoas, ser tolerantes um com o outro, muita coisa passou a não ter mais valor e outras pequenas coisas passaram a ter um valor enorme. Conhecemos um monte de gente bacana e vimos que a nossa realidade é a de muita gente por ai. Deixamos de ser pessoas pequenas e passamos a valorizar mais a vida!

Tem gente que me pergunta e como você convive com a diabetes, hoje eu digo que de uma forma normal... não me vejo mais sendo só a mãe.. sou a mamãe do Julio e do João, então qual a diferença, sou muito mais antenada em meus filhos.. se tornou natural acordar todo dia as 6h30min medir a glicemia do João, fazer a insulina basal, dar o seu leitinho, fazer a correção com a rápida se necessário e deixá-lo dormir novamente, assim como é natural todo dia de manhã, fazer o leitinho do Julio, trocar sua fralda e deixá-lo dormir mais um pouco...

Sair pra trabalhar e deixar meus filhos foi uma parte que tive que superar, primeiro o João na escolinha, alguns anos depois o Julio e por último o diabetes, são etapas que vamos aprendendo e nos adaptando. Para conciliar o trabalho e os cuidados com o DM, um grande aliado: o meu telefone rsrsrs, sem ele ia ser complicado... o João fica de manhã com a minha mãe, então sempre combinados assim, depois que ele acorda mede a glicemia, a Mamãe me liga passando o valor e o que ele comeu, faço a contagem e falo pra aplicar a insulina necessária, mas ele mesmo se aplica, tem que ser assim, isso se chama crescimento!

Como falei muitas mudanças, algumas adaptações, novos termos e acessórios em casa, até o nosso pequeno Julio já sabe que o Tato tem que medir a "guicemia", que ele também as vezes faz junto e acha a maior graça... fazer a insulina e o irmãozinho acompanha com uma caneta que deixamos pra ele, sem a agulha lógico!!

Isso faz parte de nosso dia a dia, isso faz parte de nossa família... mas e o João, como ele sendo criança encarou tudo isso... De uma maneira geral aceitou muito bem sua condição de diabético, teve dias mais fáceis e dias mais turbulentos, assim como terão outros... birra, choro, reclamação, tudo isso faz parte da criança, temos que ter o cuidado pra não confundir esses pequenos comportamentos e sempre botar a culpa no diabetes, temos que lembrar que crianças são crianças independente se são DM ou não e esses comportamentos fazem parte da infância.

Até o final de março ele encarou tudo muito bem, muito bem mesmo.. em abril precisamente começamos com a contagem de carboidratos e com a rápida nas 3 refeições, tudo bem para o João, até um fato que aconteceu sábado 26/05 em casa, foram um casal de amigos nossos jantar e quando fomos comer o João não quis fazer o dextro na frente do amigo, fez o maior chororo, disse que a glicemia estava baixa e que não precisava medir, levei o para o quarto, conversei na maior tranquilidade e ele me disse: porque vc faz isso comigo, é sempre assim todo dia... imaginem como me senti na hora, péssima claro... enfim medimos e estava em 52 mg/dL realmente estava baixa, bom jantamos e continuou tudo bem, como se anda tivesse acontecido.

O João nunca gostou de fazer o dextro e a insulina em público, fez somente uma vez quando eu estava sozinha com eles no Sesc, sempre respeitei, acredito que tudo tem seu tempo... mas depois dessa fato conversei bastante com ele, descobri que ele se sente diferente dos amigos e tem vergonha de fazer o dextro e aplicar insulina na frente deles, assim como tem vergonha de me beijar na frente da escola... Ele está um pouco rebelde ultimamente, dando respostas diretas, querendo tomar algumas decisões por ele, acredito que tudo está meio bagunçado em sua cabecinha... vai crescendo e querendo se tornar independente, em julho completa 8 anos.

Bom depois disso ele voltou a fazer tudo normal em relação ao diabetes, conversei com meu marido e resolvemos observar mais um pouco... ai caso ele insista mesmo em continuar com essa postura, vamos conversar com o seu endocrino e ver se é necessário encaminhar para uma psicóloga. O que fazemos sempre é tratá-los com muito amor e carinho procurando sempre o melhor!

Não posso deixar de falar que nesses 12 meses recebemos muito apoio de pessoas conhecidas e outras que conhecemos ao longo desse período, algumas dessas que se tornaram amigos pra uma vida toda... é super gratificante essa troca de carinho e muito importante, pois ai encontramos energias pra seguir em frente... é a corrente do bem que se chama amizade envolta por um grande circulo azul!!

Filmei os dois medindo a glicemia ontem.. ficou meio bagunçado, o João ficou envergonhado, o Julio com manha pq queria medir antes do irmão, foi a primeira vez que filmei eles assim... mas dá pra perceber o quanto isso é natural ...